sexta-feira, 30 de março de 2012

História de Heliópolis Bahia

DADOS HISTORICOS DA CIDADE DE HELIÓPOLIS – BAHIA – BRASIL. FUNDADA EM 1910 E EMANCIPADA EM 1985.



A cidade de Heliópolis, antigo Novo Amparo, antes Pau Cumprido, foi fundada em (1910) mil novecentos e dez, por iniciativa de alguns fazendeiros que habitavam nessa redondeza.
As pessoas que fundaram foram:
Ø  João Tavares;
Ø  Balbino Torres;
Ø  José Umburana;
Ø  Leopoldino Pereira;
Ø  Virgulino;
Ø  Pedro da Gama;
Ø  Valentin, etc...
A primeira casa residencial foi construída por João Tavares, e pertencia ao mesmo. A segunda pertencia a Balbino Torres. A terceira era de José Umburana, na qual tinha uma venda pequena. E, assim foram surgindo as demais casas.
Na época, a nossa atual cidade, era um matagal, pois, não havia outra coisa se não arvores.
Certo dia, José Umburana, resolveu apoderasse de uma grande arvore em dia de sábado, após ter matado um boi, para comercializar carne, já que aquela redondeza ficava cada vez mais habitada. E, assim, sucederam vários sábados, sempre aumentando a quantidade de pessoas ao redor dessa árvore em busca da compra de carne.
O nome de Pau Comprido que deram a nossa cidade inicialmente originou-se dessa dita árvore.
Com o passar do tempo, um dos fazendeiros, por ser muito Católico e freqüentava a igreja da freguesia de Cícero Dantas, que ficava um pouco distante de “Pau Cumprido”, pediu da referida igreja para ele ir celebrar uma Missa lá no “Pau Cumprido”, então o Padre José Mendonça atendeu o pedido e foi celebrar a Missa no então povoado “Pau Cumprido”, e ao termino dessa celebração o referido Padre colocou uma pedra no local a qual havia acabado de celebrar, e essa pedra serviu de marco para sinalizar o local pela qual seria construída a primeira capelinha dessa nova urbanização que começava a engatilhar.
Depois de um ano, construíram a supracitada capelinha que foi inaugurada em 26 de fevereiro de 1911. Com a chegada do Padroeiro Sagrado Coração de Jesus. Depois dessa construção, aumentou de forma significativa a quantidade de habitações desse povoado.
Ah! Faz-se importante ressaltar que a árvore “Pau Cumprido” que deu origem ao nome desse povoado, era um pé de cajueiro muito grande, que ficava localizado no centro da atual Praça José Dantas de Sousa. Passando alguns anos, o Padre José Mendonça, por não gostar do nome de “Pau Cumprido”, passou a chamar esse povoado de Novo Amparo, tendo uma grande aceitação por parte dos seus moradores, então nossa cidade recebe sua segunda nomenclatura de conhecimento regional, nesta época, já havia muitas casas residenciais e algumas casas comerciais... Já havia a Igreja, a Escola de Alfabetização (mobral). O primeiro professor de Novo Amparo foi o Sr. Antonio Virgulino de Souza. O Segundo foi uma professora a Srª Mariquinha Tavares.
Os Padres que também deram assistência religiosa em Novo Amparo foram:
Ø  Pe. Vicente Martins;
Ø  Pe. Antonio Gaitta;
Ø  Monsenhor Renato Galvão;
Ø  Pe. Vitalmiro Munford;
Ø  Pe. Otavio Gonçalves da Silva;
Ø  Pe. André de Witte;
Ø  Pe. Geraldo;
Esse ultimo Padre, assumiu provisoriamente, pois, logo foi substituído pelo Pároco: José Cabral Falcão (1988).
Em 1960, o nosso povoado, já era distrito de Ribeira do Amparo Bahia. Anteriormente éramos distrito de Cipó Bahia. Nesse mesmo ano, um Juiz ao chegar aqui, achou o “sol de nossa terra” muito bonito e em decorrência disso deu um novo nome a nossa terra, o nome de Heliópolis, que epistemologicamente significa “Cidade do Sol” (Helio = Sol; Polis = Cidade), nome que permanece até hoje.
Entres os Prefeitos de Ribeira do Amparo, que governou o nosso povoado, e, depois distrito, podemos citar:
Ø  Agenor Brito (1958-1962);
Ø  Mauricio B. Freire (1962-1967);
Ø  José Dantas de Souza (1967-1971);
Ø  Ivo Carleon (1971-1973);
Ø  José Dantas de Souza (1973-1977);
Ø  João C. Sirqueira (1977-1982);
Ø  José Dantas de Souza (1982-1986);
O Prefeito José Dantas de Souza eleito pela terceira vez governou com justiça, paz e amor. Suas obras construídas no mandato de 1982-1986 foram:
Ø  Posto Médico;
Ø  Delegacia;
Ø  Açougue;
Ø  Mercado;
Ø  Jardim da Praça José Dantas de Souza;
Ø  Implantou o serviço de Empresa de Correios e Telégrafos (ETC) e a Telebahia.
Em 1986, José Dantas de Souza foi substituído por José Emidio Tavares de Almeida Santos popular Zé do Sertão (1986-1989).
A Emancipação Política de Heliópolis aconteceu no dia 11 de Abril de 1985. Havendo as eleições em Novembro desse mesmo ano. Saindo vitorioso o Sr. José Emidio Tavares de Almeida Santos (Zé do Sertão.

HISTÓRICO POLÍTICO, ECONOMICO E SOCIAL.

            Heliópolis Município do interior baiano com aproximadamente 15.000 hab; com uma área territorial de 312 km2, conseguiu sua emancipação política em 11 de abril de 1985.           
Para que possamos entender todo o histórico político, econômico e social de determinada coisa, faz-se necessário à compreensão inicial do que vem a ser emancipação e que mudanças, esta provoca. Então, partindo do pressuposto que emancipação é a aquisição plena de independência, de um povo ou de um Estado (Municipal, Estadual ou Federal); Dessa forma quando um povo ou um Estado se emancipa esse passará a possui o direito de ter uma administração própria com leis próprias, um território definido e um naturalização. Fatores esses que são indispensáveis ao crescimento e desenvolvimento econômico. Assim, uma nação emancipada pode propiciar a seu povo uma vida mais plena e digna.
            No casa de Heliópolis, que a principio dependia de Cipó, pois era integrado a esse município que ficava muito distante das terras que hoje compõe seu território, as pessoas que nesse moravam tinham varias complicações, já que a sede administrativa dessa então região cuja denominação derivava de fazendas a fazendas sofriam, pois os administradores da região se quer as conhecia. Mas quando um povoado também pertencente a Cipó adquiriu sua emancipação e como conseqüência ganhou o direito de definição de território desmembrando o território de Cipó e a região do atual município de Heliópolis passou a pertencer a esse novo município, o Município de Ribeira do Amparo. Nessa mesma época da emancipação de Ribeira começava o crescimento da região de Heliópolis, que já era conhecida como Pau Comprido, e com esse nome começou o seu progresso econômico. Surgindo a feira livre, em baixo de uma grande árvore que justificava o nome deste lugar. Essa feira inicialmente só comercializava carne e logo depois passou a comercializar outros produtos como: Milho, Feijão, Farinha e alguns objetos de artesanato. Dessa maneira a economia heliópolense da época vinha se desenhando como economia predominantemente agropecuária.
            Alguns anos se passaram e Pau Comprido virou Novo Amparo, e crescia muito mais do que sua sede municipal (Ribeira do Amparo). Entretanto, é valido ressaltar que a condição de vida em Novo Amparo dependente de Ribeira é muito melhor do que quando essa mesma região pertencia a Cipó, devido o descaso político. Mas, a população heliópolense da época queria ir além que já novo amparo se desenvolvia mais que a sua própria sede. Que chegou até a perder sua emancipação ao longo de sua historia resgatando-a depois.
            A população de Novo Amparo era determinada sabia muito bem o que queria e juntamente com seus lideres políticos lutavam sem parar pela sua emancipação. Até que está veio em abril de 1985. Daí então conquistou tudo àquilo que uma nação emancipada tem direito, território, leis próprias, representantes próprios... Porém a sua economia continuou predominantemente agropecuária, porém ganhou reforço da Prefeitura, e do surgimento de vendas que se tornaram supermercados, bares que se tornaram lanchonetes dentre outros.
            O social também se desenvolveu construções de varias escolas, surgimento do sindicato dos trabalhadores rurais, dos movimentos religiosos, ativação de varias secretarias municipais como a de Ação Social. Ou seja, a cultura heliópolense se desenvolvia. Natal agitava a nova o novo Município emancipado o município de Heliópolis-BA, a festa de 7 de setembro também agitava juntamente com o micareta. Mas, o que virou tradição mesmo foi o São Pedro que vive até hoje e que é o momento mais esperado da cidade. As comemorações que homenageiam Santo Antônio (13 de junho), São João (24 de junho) e São Pedro (29 de junho) são conhecidas como Festas Juninas. Em Heliópolis o primeiro São Pedro foi comemorado em 1987, e de lá para cá já são XVIII edições daquele que podemos chamar de melhor São Pedro da Bahia. A cidade além de se divertir (e muito!!!) com grandes atrações também aumenta a cultura de seu povo com suas apresentações, entre elas a popular quadrilha e o casamento caipira. Nesses dezoito anos de festas, grandes artistas da Música Popular Brasileira se apresentaram, entre eles: Luiz Gonzaga, Dominguinhos, Oswaldinho, Flávio José e Adelmário Coelho. Todos os anos Heliópolis recebe uma média de 25 mil visitantes oriundos de diversas regiões do Estado da Bahia e de Sergipe, e a constante visita desse público tornou o São Pedro ainda mais famoso.
            O político começa pela aquisição de território e o direito administrativo. Passaram por aqui como Prefeitos: Jose Dantas de Souza, José Emidio de Tavares de Almeida Santos, Aroaldo Barbosa de Andrade, Genival Nunes Santos. E Hoje na atualidade José Emidio Tavares de Santos (Zé do Sertão) um dos principais lutadores da emancipação.
            Portanto, aqui está brevê relato sobre vida política, social e econômica de Heliópolis.

Produtos Agrícolas de Heliópolis

Segundo ex-funcionários do Projeto Alvorada, um projeto do Governo Federal criando para recensear, diagnosticar e tentar erradicar a desigualdade social por meio de agentes jovens e programas sociais, que atuou nesse durante o segundo Governo de FHC (Fernando Henrique Cardoso) é constatado que a predominância dos produtos agrícolas desenvolvidos no Município de Heliópolis – BA, é do Feijão que e seguido pelo milho e pela mandioca.
Na região Sul Heliópolense que abrange o Tanque Novo, o Bendó, O Riacho, a Trapalha, o feijão é o elemento mais cultivado. Isso se repete na Região Norte Heliópolense que abrange, a Massaranduba e o Poço. Já na Região Oeste Heliópolense que abrange a Viúveira, a Farmácia, a Serra dos Correias e o Tijuco, aparece em primeiro lugar a Mandioca. Na Região Leste Heliópolense que abrange o Cubanzê, a Cajazeiras, a Jibóia, o Velame, fica divididamente entre o milho e o feijão. Assim como a Região centro-oeste que abrange, Cabeça do Boi, Umburana, Melancia, Tamburio, Calumbí, Camboatá e Itapororoca.
Portanto os produtos agrícolas de predominância no Município de Heliópolis são: Feijão, Milho e Mandioca. Mas vale ressaltar que temos um pequeno mais significativo acervo de Horticultura. Principalmente na Região Norte Heliópolense.
Podem ser, identificadas outras culturas, mas são raras como a produção de castanha do caju.
Informantes Principais: Kelly Cristina Freire da Silva & Clóvis Jr., ex-integrantes do Projeto Alvorada! 

O AÇUDE DE HELIÓPOLIS

Em 1952 – por intermédio do Prefeito Agenor Brito, que era o Prefeito da Cidade de Ribeira do Amparo, juntamente com o Governador da Bahia, com Dr. Regis Pacheco e com a população de Pau Comprido, depois, Novo Amparo, Hoje atual Heliópolis, construíram a barragem do açude, que antes eram dois tanques; Certo dia houve uma grande trovoada que alagou a região dos dois tanques e eles se encontraram; foi ai que então mencionado Prefeito foi comunicado pelos os moradores o que havia ocorrido e como em tempo de seca esse povo sofria com a falta de água e esses solicitaram a construção de um açude, a partir dai foram em busca de recursos para tal. E em 1950 começaram a tentar colocar essa idéia em pratica, mas foi somente em 1952 que ela se concretizou. 
Como em todas as historias, o açude de Heliópolis, levanta a curiosidade da população, pois alguns nadadores, afirmam que o açude era antes um antigo cemitério do Pov. Pindorama, porém a verdade é que vinho ao mesmo existia esse cemitério e não no mesmo local que ele. E cinco anos depois do açude construído com uma outra trovoada o cemitério se deteriorou e as águas da chuva levaram parte deste para dentro do açude por esses fatos nadadores ao encontra-se com vestígios humanos, cruzes dentro dele afirmavam que lá tinha um cemitério.
Por fim Heliópolis hoje com essa riqueza que embeleza a cidade e que em certo período da historia gerava riquezas e turismo. Vem fazendo pouco caso dessa riqueza conhecida como açude. A qual o Governo Municipal de 1996-2004, piorou ainda mais a situação despejando os esgotos diretamente no açude uma vergonha para Heliópolis que deveria preservar sua riqueza natural. Mas, quanto há vida há esperança quem sabe um, dia não o veremos de novo promovendo riqueza turística e útil a necessidades, como combate a seca.
                       
     DADOS HISTÓRICOS DA POPULAÇÃO MUNICIPAL DE HELIÓPOLIS-BAHIA. SEDE E ZONA RURAL. POPULAÇÃO DE HOMENS E MULHERES.

Área da unidade territorial = 1km² = 312.
Latitude da sede e do município = -10, 68, 333.
Longitude = -38, 28, 611.
Pessoas Residentes = 13.109 hab.
Homens = 6,686
Mulheres = 6.423
Pessoas Residentes na Zona Urbana = 4.231
Homens = 2.051
Mulheres = 2.180
Na Zona Urbana tem mais mulheres do que homens.
Mulheres = 129
Pessoas Residentes na Zona Rural = 8.878
Homens = 4.635
Mulheres = 4.243
Na Zona Rural tem mais homens do que mulheres.
Total de homens a mais = 392
No Município de Heliópolis tem mais homens do que mulheres.
Homens = 263
Na Zona Rural o numero de habitantes, é maior que o numero de habitantes da Zona Urbana.
Total = 4.647 hab.

CARACTERIZAÇÃO GERAL DO MUNICÍPIO DE HELIÓPOLIS.

Localização e Área = O Município de Heliópolis, situa-se na Região Nordeste da Bahia, a 300 km de Salvador.
Limites de Heliópolis-Bahia:
Norte = Cícero Dantas-BA e  Fátima-BA
Sul = Ribeira do Amparo-BA
Leste = Poço Verde-SE
Oeste = Ribeira do Pombal - BA
A are total de Heliópolis-BA = 313,20 km².
População Residente:
Urbana = 4.231
Rural = 8.878
Obs: Cerca de 32% da população de Heliópolis vive na Zona Urbana e 68% da população vive na zona Rural.
A densidade populacional do Município de Heliópolis é de 41,85 habitantes por km².
Fonte: IBGE: 2000
Heliópolis em Relação à Bahia
Fica no Nordeste Baiano a 300 Km da Capital
Obs: Todos de fontes não citadas foram colhidos por informações de diversos moradores que fizeram e alguns ainda fazem parte dessa história. 
 
           
HISTÓRIA CONSTRUIDA A PARTIR DE NARRAÇÕES DE PESSOAS QUE ESTÃO IN MEMORIA, MAS QUE SEMPRE ESTARÃO VIVAS, POIS NINGUEM MORRE ENQUANTO PERMANECE VIVO NA MEMORIA DE UM POVO, EM ESPECIAL:

Augusto Pereira do Nascimento


São Pedro de Heliópolis

Ao longo da historia de Heliópolis destacaram-se quatro festas em especial Natal, Sete de Setembro, Festa do Sagrado Coração de Jesus e o São Pedro que sobre saiu a todas as outras como a principal festa popular de Heliópolis. Ela foi criada pelo Prefeito José Emidio (Zé do Sertão) em 29 de junho de 1987, sendo 5 dias de festa e de lá para cá já são XX edições daquele que podemos chamar de melhor São Pedro da Bahia. Nessa época na cidade além de muita diversão com grandes atrações musicais, conserva-se a cultura nordestina, cultura essa que dar identidade a esse maravilhoso município. Nele, quadrilhas caipiras se apresentam, o casamento caipira acontece, e as comidas típicas enchem os olhos e a barriga.
Nesses dezoito anos de festas, grandes artistas da Música Popular Brasileira se apresentaram, entre eles: Luiz Gonzaga, Dominguinhos, Oswaldinho, Flávio José e Adelmário Coelho, Calcinha Preta, Brega & Vinho, Alcimar Monteiro. Todos os anos Heliópolis o São Pedro recebe uma média de 25 mil visitantes oriundos de diversas regiões do Estado da Bahia e de Sergipe, e a constante visita desse público tornou o São Pedro ainda mais famoso. Nas ultimas duas edições ele se dividiu em dois momentos com abertura em três dias de grande porte, festas nos povoados principais (Riacho, Massaranduba, Farmácia, Tijuco, Cajazeiras, Serra dos Correias e Tanque Novo) alias na Administarção a Marca de Um Novo Tempo essas festas sempre ocorreram , mas a grande novidade das duas ultimas edições foi as festas nas principais ruas da cidade, como homenagens as personalidades dessa terra In Memória, e com varias apresentações culturais, sem falar nas comidas típicas. Assim é o São Pedro de Heliópolis, alegre, rico em cultura e paz, e que nessa Marca de Um Novo Tempo se encerra sempre com chave de ouro todos os anos, com estrutura invejável com dois palcos e atrações pra lá de culturais. Viva o São Pedro de Heliópolis.

IGREJA CATÓLICA EM HELIÓPOLIS

Heliópolis surgiu por iniciativa de alguns fazendeiros que a principio construíram casas na região e alguns dias após essas construções organizaram uma pequena feira de carne embaixo de uma comprida árvore, na qual serviu para a primeira nomenclatura desse hoje município, chamado primeiramente de Fazenda Pau Comprido. Com o passar do tempo, um dos fazendeiros, por ser muito Católico e freqüentava a igreja da freguesia de Cícero Dantas, que ficava um pouco distante de “Pau Cumprido”, pediu da referida igreja para ele ir celebrar uma Missa lá no “Pau Cumprido”, então o Padre José Mendonça atendeu o pedido e foi celebrar a Missa no então povoado “Pau Cumprido”, e ao termino dessa celebração o referido Padre colocou uma pedra no local a qual havia acabado de celebrar, e essa pedra serviu de marco para sinalizar o local pela qual seria construída a primeira capelinha dessa nova urbanização que começava a engatilhar.
Depois de um ano, construíram a supracitada capelinha que foi inaugurada em 26 de fevereiro de 1911. Com a chegada do Padroeiro Sagrado Coração de Jesus. Depois dessa construção, aumentou de forma significativa a quantidade de habitações desse povoado.
Ah! Faz-se importante ressaltar que a árvore “Pau Cumprido” que deu origem ao nome desse povoado, era um pé de cajueiro muito grande, que ficava localizado no centro da atual Praça José Dantas de Sousa. Passando alguns anos, o Padre José Mendonça, por não gostar do nome de “Pau Cumprido”, passou a chamar esse povoado de Novo Amparo, tendo uma grande aceitação por parte dos seus moradores, então nossa cidade recebe sua segunda nomenclatura de conhecimento regional, nesta época, já havia muitas casas residenciais e algumas casas comerciais... Já havia a Igreja, a Escola de Alfabetização (mobral). O primeiro professor de Novo Amparo foi o Sr. Antonio Virgulino de Souza. O Segundo foi uma professora a Srª Mariquinha Tavares.
Os Padres que também deram assistência religiosa em Novo Amparo foram:
Ø  Pe. Vicente Martins;
Ø  Pe. Antonio Gaitta;
Ø  Monsenhor Renato Galvão;
Ø  Pe. Vitalmiro Monfort;
Ø  Pe. Otavio Gonçalves da Silva;
Ø  Pe. André de Witte;
Ø  Pe. Geraldo; esse ultimo, assumiu provisoriamente, pois, logo foi substituído pelo Pároco: José Cabral Falcão (1988), substituído em 2002 por Padre José Brás que foi substituído em 2006 por Padre Ednaldo Morais atual pároco.
A Santa Igreja no município de Helióplis, tem rendido desde do seu inicio aqui, bons frutos, revelando varias vocações tanto de sacerdotes quanto de religiosas a exemplos de Pe. José Edvanio, Pe. Marcio, Pe. José Ilson, Pe. Gilberto, Pe. Ariovam, Irmã Maria Augusta, Irmã Genilza, dentre outros.
As festas de maior participação no município de Heliópolis são: São Pedro, Sagrado Coração de Jesus, Corpus Crist, Sexta-Feira da Paixão, Sábado de Aleluia, Domingo de Ramos e Páscoa. Essas são feitas procissões que mostram a fé máxima do povo Heliopolense, a Fé Católica compreendendo 90% de sua população segundo o ultimo senso do IBGE, que focou tal assunto.         



FOTOS ANTIGAS DA NOSSA CIDADE




Praça da Igreja




Fundo da Igreja

Casa paroquial


Casa de seu Nozinho em frente a Igreja



Casa Paroquial


Formatura de Uilson



Praça da Igreja


    
Praça da Igreja

Praça da Prefeitura

Praça da Igreja


Praça da Prefeitura, a garota da Foto é Márcia do José Dantas

Primeira Televisão de Heliópolis, Praça da Prefeitura



Praça da Igreja, Rua da prefeitura, Açude

Rua da Prefeitura

Rua da prefeitura
Praça da Igreja
Praça da Igreja
















Nenhum comentário:

Postar um comentário